À Beira da Falésia


Tem horas que eu me lembro

de uma série de vivências tão clássicas

de meu curso superior de humanidades

que tenho a impressão de ter ido à Sorbonne,

cinéfilo em tempos de Nouvelle Vague

Minhas memórias postas em “Os Sonhadores”

A gente correndo no Louvré de Band à part

Deixe um comentário

Arquivado em catarse, poemas

Poema 22

Hoje eu queria escrever

Um poema apaixonado

Daqueles que você lê,

Suspira, sorri e tem vontade

De fazer uma declaração surpresa

Daquelas travadas nas quatro rodas

Que fazem os passantes, que não tem nada

A ver com a paçoca sentirem as atestadas reações

Fisiológicas de toda essa babaquice

Deixe um comentário

Arquivado em poemas

Times like these

As bandas que eu conheci a pouco

ressoa sensações inéditas

acompanhadas de pessoas novas exóticas

em Lugares diferentes e absurdos

com comidas fantásticas

sustentando idéias novas

em novos anos de grande êxtase

Deixe um comentário

Arquivado em catarse, poemas

Bioma

Essas raízes hesitam em penetrar neste solo.

Esta araucária não cresce mais na terra vermelha.

vai fazer compania ao ipê-amarelo

que vive ali em Santa Cecília

Deixe um comentário

Arquivado em poemas

Torneira pingando

Quando to

bem sem graça

fico quieto

invento algo

que fura a bóia

da caixa-da-água

 

E então eu quero

Conheçer assunción antes do almoço,

cruzar o Louvre e dormir em Saturno

E ir tocando a vida assim feito enxurrada

Feito sangria desatada

que não sossega tão fácil não

Deixe um comentário

Arquivado em poemas

You got to make the burguer

– You know Gaga, trust is like a mirror, you can fix it if it’s broke…

– …but you can still see the crack in the mothafucker reflection

Deixe um comentário

Arquivado em comentário

Boas novas

Água com pó das ruas

escorrendo do chafariz de um mártir

Chuva sobre o passado seco de uma estação ansiosa

Agora o monumento é novo (consolo)

ainda jorrando bile negra do falo

e esperando encher o leito

de sangue dos rios do outono na cidade natal

Deixe um comentário

Arquivado em poemas

Ilusão

Esses espíritos irriquietos se iludem

com a crença de que vão sossegar algum dia

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Vocação

Quem me dera eu fosse um profeta

e não achasse sádico fazer sacrifícios em nome da arte

Quiçá eu fosse um vida torta (que por sorte sou um pouco)

que faz tudo errado e produz uma obra vigorosa.

Vai que eu sou tudo isso e não sei.

Só vendo pra crer.

Eu só acredito vendo.

 

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Planos mirabolantes

Eu, planos mirabolantes, olhando as pessoas ao redor.

Planejando a si mesmos, caminhando pelo pátio

Eu, planos, amálgama de boas e más intenções mirabolantes

meus planos vacilam em escapar pela boca:

fervem no cérebo até explodirem em verbos.

Frases reverberando, fazendo eco,

se misturando a hipóteses por confirmar,

perigoso sentido provisório que eles tomam,

tomando controle catastrófico dos movimentos,

dos encaixes do destino, planos malditos,

reproduzindo seus filhos, planos genéticamente amaldiçoados,

Toda a negação da liberdade da vida se destilando

em calculadas armadilhas mirabolantes.

Planos sentados, pensando, botando medo

rindo e ameaçando serem mirabolantes,

sarcásticamente certos de sua periculosidade

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized