Arquivo da tag: fobia

Furinho na alma

No quadrado pequeno da janelinha do quartinho

de uma vidinha que quase não cabe lá

Vou vendo o sol morrendo

indo indo,  as luzes das casas titlintando

plin! plin! plin! vão acendendo com soluço

E minhas vistas escurescem, o sol morreu

é o fim de mais uma volta rápida desse mundão

que quase não cabe no quartinho

E eu aqui sozinho, querendo uma casa maior

Deixe um comentário

Arquivado em catarse

Medo de Rodoviárias

Eu sei que é meio besta ter fobias. Mas o pavor de rodoviárias não chega a ser crônico, do tipo que faz você espumar pela boca ao entrar em uma.

O que se sente é aquele aperto no peito pelas sensações às quais a rodoviária está ligada, de chegar feliz e ansioso, de ir triste e cansado. De ir cumprir com obrigações e voltar satisfeito (ou preocupado). De ir passear e voltar cheio de histórias, metáforas sobre a vida, fábulas que encantarão aos que não estiveram lá mas estão curiosos sobre suas andanças pelo mundo. Mas é claro que por causa das infinitas experiências que nos proporciona a saudade, muitas outras sensações podem ser catalisadas numa rodoviária.

Saudade! Esta palavra que como muitos sabem só existe na língua portuguesa, é uma espécie de poema minimalista que nosso idioma oferece. Pra quem diga que ela não é poética, apenas pense se um “I miss you” consegue carregar todo o sentido complexo de se gostar à distância, sentir alegria em prestações ou de dividir a vida com quem não se vê.

Além disso tudo, o vazio da rodoviária se completa com a visão desoladora dos vadios que perambulam e dos banquinhos em que as pessoas se sentam, com todo cuidado para ficar o mais longe possível umas das outras. Quanto ao cheiro da rodoviária, este me parece ser universal. É uma mistura de mofo, fritura e perfume de alguns dos que vêm e vão.

Simbolicamente parece que as rodoviárias pertencem ao baixo escalão. Ali se agrupam pessoas comuns e incomuns (o que quer que isso seja, para o bem ou o mal). Essa associação é tão verdadeira quanto o desprezo por qualquer coisa que venha da rodoviária, sejam as cochinhas e souvenirs, sejam os estranhos que possam vir a falar com você – todos parecerão suspeitos.

Bom mesmo ia ser poder ir e vir quando se quer, aonde se quer. Mas estamos presos pela nossa necessidade de sobreviver. Nosso último consolo frente a todas essas privações é o papel, a crônica e os contos que brotam vigorosamente, recortes da verdade que fazem rir ou chorar provocando emoções que podem parecer ou desconhecer a experiência vivida na distância.

E a rodoviária continua lá, todos os dias, destilando esse espectro contido naquilo que nos torna humanos.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized