Arquivo da tag: humanos

Sexo

Hoje peguei o livro do Kinsey pra dar uma olhada.

O cara fez o maior estudo até hoje sobre a sexualidade humana.

Além disso coletou dados usando perguntas que tornam quase

impossível que os entrevistados mintam sobre sua sexualidade

vida a fora. Assim ele acabou dando um tapa na sociedade

americana, revelando coisas que muita gente não via,

ou não queria ver…

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

A velhice intimida

Que cagada a gente existir no século XXI né?

Será que daqui a um tempo as pessoas dirão

“ahh, lá nos anos zero”; ou nós diremos “eu era jovem

nos anos dez”. Além disso, creio que nossos priminhos

não gostarão muito das músicas que ouvimos, eles

dirão para os amigos “nossa, meu tio curte strokes cara”.

E quando dissermos que nascemos nas décadas de 80 e 90

eles sentirão uma sutil curiosidade, talvez até sintam um leve

susto não expresso.  Nós nos importaremos com isso?

Deixe um comentário

Arquivado em catarse

Paradoxo

O tédio maior

É o da certeza

A se eu pudesse!

Não teria graça.

Só existe o querer

Quando há falta

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Desprezo

É minha gente. Que a liberdade é relativa todo mundo sabe. Aliás, você é mais livre quando não fica pensando em liberdade e coisas do tipo; a liberdade é importante pra quem sabe o que ela significa, o que não é o caso da grande maioria.

Semana passada estava eu descendo as ruas de Maringá todo pimpão pra ir num esquentinha pro strokes cover – claro que espero assistir eles ao vivo em breve, enfim – as ruas estavam abarrotadas de gente por causa do futebol. Aglomerações felizes em torno de futebol, ok. Era umas onze e pouco e eu estava descendo a rua com meus fones de ouvido, pra não ter que ouvir alguma música sertaneja de fundo. Como já fui roubado algumas vezes já tava todo ligado nos macetes que um cidadão deve saber pra evitar que isso aconteça de novo. Digo isso porque mesmo com a aglomeração, nunca se sabe né.

Continuei andando e ouvindo um Zeitgeist. Vi umas pessoas, que apesar de não aparentarem ser restos da sociedade, me assustaram por um instante. Continuei andando em meio aquela rua toda animada, olhei para o lado e…

Alguém segurava um TIJOLO na mão e articulava onomatopéias como se dissesse alguma coisa. Estavam em três. Levaram meu amado celular com foninhos de ouvido, cataram mais uns trocados da minha carteira. Sabiamente eu joguei o conteúdo da carteira no chão, assim não levaram meus documentos. Fiquei com o diabo no corpo. Se eu tivesse um 38 dava um tiro nas costas daquela catrefa. Continuei andando puto, cheguei no esquenta, esmurrei a parede e dei alguns gritos, assim eu me acalmei. Liguei pedindo o bloqueio do chip e resolvi ir no show do mesmo jeito.

Fiquei surpreso como eu pude recobrar a calma e ainda por cima me divertir. E isso tudo eu atribuo a uma razão.

Depois de pensar um pouco sobre o ocorrido percebi que aquelas pessoas que me roubaram com certeza não sabem o que é Strokes. Não sabem o que é Zeitgeist. Não sabem o que é 9a sinfonia, não sabem falar pros alguns minutos a respeito de Adam Smith, François Truffaut, Machado de Assis, David Lynch e Richard Hamilton. Provavelmente devem ter visto filmes vagabundos em suas vidas medíocres, mas não têm idéia do que seja plot-point, corte seco ou rotoscopia, pra falar das coisas que eu gosto.

Pra me salvar do estereótipo de classe média arrogante, já vou lançando a informação de que ando a pé e abomino qualquer tipo de arrogância em relação ao que se sabe ou se possui. Mas dessa vez fui obrigado a ser esnobe pra me consolar das mazelas da espécie humana.

Coitados desses restos, não são capazes de roubar o que eu sei e mesmo que pedissem para que eu lhes ensinasse alguma coisa, jamais poderiam recuperar o tempo perdido de suas vidas. Poderiam me matar, mas mesmo assim continuariam na ignorância das coisas elementares. Não que seja importante pra eles ter cultura, pois conseguem viver do mesmo jeito sem ela. A questão é que eles jamais sentirão o prazer que é a luz de saber o mínimo do mínimo. Estou ciente de que sei muito pouco de todo conhecimento que nossa sociedade produziu, mas sei também que o que aqueles meliantes sabem tende a zero. Aposto que suas mães não comeram peixe o suficiente para que seus cérebros fossem um pouco mais adaptados a compreensão das coisas. E como já estão crescidos essa coisa do peixe fica irreversível.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized