Arquivo da tag: poema

To the king

On swill & Grains you wich the poor to be fed and underneath the guillintine we could wish to see your heads

For I think it is a great shame to serve the poor so

And I think a few of your heads will make a preety show

Deixe um comentário

Arquivado em poemas

Paradoxo

O tédio maior

É o da certeza

A se eu pudesse!

Não teria graça.

Só existe o querer

Quando há falta

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Segunda cinza

Vento indiferente

Tarde moribunda

Sol triste

Doença escura

Janela entreaberta

Depeche

Dois idosos em silêncio;

o café e o cigarro

Frases curtas,

monossílabos sós,

com tarefas por fazer

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

CALOR!

Estamos agora vivendo

o tormento que é o verão

Quiçá venha a tormenta

e haja entre eles a química

e que a mistura me envolva

pois já cansei de ficar são

Deixe um comentário

Arquivado em poemas

Mesa Verde

Não podemos jogar esse jogo. É que somos ambos peritos na mesma modalidade. Nós usamos os mesmos truques, sendo fiéis às mesmas regras. Sabemos um do outro as intenções de jogadas; os flertes também. Por isso não há cassino entre nós, eles são inúteis e previsíveis.

Apesar dos poréns, somos tão aficionados que nunca negamos um ao outro uma partida sequer. Será que um dia vamos cansar? E se cansarmos, será para desistir de competir um com o outro ou para que procuremos novos adversários em outras mesas verdes?

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Bom bombom

Acho que também sou paranóico
neurótico e todo errado,
mas gosto do inverno e invento
nos dias de sol
Pois tenho um prazer precioso
mesquinhamente ofertado,
é quando dá de amanhecer
e o dia estar frio e claro

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized